Foi assim que ele conseguiu diminuir em 50% a Ruptura de Estoque

Foi assim que ele conseguiu diminuir em 50% a Ruptura de Estoque

4 min de leitura

Treze por cento de ruptura. Essa era a situação de um novo cliente Logus, que nos contratou recentemente. Por si só esse número já seria preocupante se não fosse por um detalhe: a ruptura que apuramos não acontecia por falta de produto. A ruptura que apuramos vinha de um problema muito mais silencioso do que esse. Ruptura de estoque, um dos piores vilões dos varejistas.

Como assim? 

Vamos refletir sobre seu processo comercial: seus compradores compram uma determinada mercadoria, que é entregue no prazo combinado. Você confere o pedido e autoriza a entrada dessa mercadoria no estoque. 

Não existe apenas a Ruptura de Estoque!

Os estoquistas colocam nas prateleiras e você fica monitorando a venda e as gôndolas, para repor a mercadoria, certo?

Mas o que acontece se a mercadoria não for reposta na área de vendas? O que acontece se você delegar apenas para os repositores a tarefa de olhar a gôndola e repor a mercadoria, sem nenhuma ferramenta para medir a eficácia disso?

Eu posso te falar o que acontece: a ruptura de venda, ou também chamada ruptura de abastecimento. Este tipo de ruptura consegue ser ainda pior do que a ruptura de compra, por vários motivos:

Ainda mais perigoso

  • A mercadoria está no estoque;
  • Você provavelmente já pagou por ela;
  • A maior parte dos seus clientes não se dará ao trabalho de pedir para alguém da loja verificar se tem em estoque;
  • Você perderá vendas de um produto que talvez já esteja até pago;
  • Seu lucro será comprometido por falta de um processo teoricamente simples.

Agora que você já entendeu o problema deve estar se perguntando: mas como resolver isso? Como ter certeza que minha equipe fará o mínimo que se espera dela que é repor a mercadoria quando necessário?

A ruptura mais silenciosa que existe é a ruptura por abastecimento - Logus Retail

A resposta para isso é simples:

informação na mão e processo redondo. E em ambos os casos, a Logus pode ajudar.

Importante dizer que o Logus ERP tem um relatório de Ruptura que consegue medir, inclusive financeiramente, o prejuízo em vendas não realizadas por Ruptura de Abastecimento. Foi com esse relatório que conseguimos apurar, em apenas 30 dias após a virada do sistema nesse novo cliente, a ruptura de 13%. Detalhe: desses 13% de ruptura aproximadamente 10% era provocado por problemas de abastecimento.

Objetivo era conscientizá-los

Uma vez medido isso fizemos uma reunião com a diretoria do cliente para conscientizá-los sobre o problema e sobre nossa proposta de plano de ação. Na sequência, com o aval da diretoria, fizemos uma reunião com o time de gerentes, também com o objetivo de conscientizá-los e com uma proposta de plano de ação, relativamente simples: diariamente tirar o relatório de estoque por abastecimento e auditar o processo de reposição dos itens problemáticos, com acompanhamento diário de nosso time de serviços.

Na prática o processo é:

tira o relatório, verifica os itens, cuida para que sejam repostas e pronto. No dia seguinte a mesma coisa. E de novo. E de novo. E de novo.

Conclusão:

lembra da ruptura de 13%? Ela havia caído para apenas 6,5% do faturamento. Alta ainda? Sem dúvidas. Mas, com o passar dos meses e intensificando o trabalho de conferência conseguimos reduzi-la ainda mais, chegando a incríveis 3,5% agora, depois de 180 dias.

O mais incrível é saber que o lucro gerado por essa ação permitiu ao cliente pagar o investimento feito na implantação do sistema. Simples assim.

Um processo implementado pela Logus em conjunto com um recurso poderoso do Logus ERP trouxe, a um de nossos novos clientes, um pay back em apenas 180 dias. Mas o mais legal é saber que, a partir de agora, com o processo mantido, esse incremento de vendas (e lucratividade) não só bancará a mensalidade do sistema como vai gerar caixa, indo totalmente de encontro ao nosso propósito de fornecer software para ajudar o varejista a ganhar dinheiro.

Deixe uma resposta